O Dr. Victor Frankl, sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz, escreveu no seu diário:

“Aqueles que viveram nestes lugares de morte conseguem ainda se lembrar que, durante a noite, alguns dos que estavam ali iam de barraca em barraca, confortando os mais desesperados, e muitas vezes oferecendo um pedaço de pão ou de batata que havia sobrado”.

“Poucos eram capazes de agir assim, mas estes poucos davam a todos a maior das lições: pode-se tirar quase tudo de um homem, menos sua liberdade de escolher – não importam em que circunstâncias – a maneira como acham que devem agir”.

 

http://g1.globo.com/platb/paulocoelho/2007/10/