“Um coração insensato, que comanda o racional sendo louco o suficiente para se apaixonar. Um furioso suicida que vive procurando relações e emoções verdadeiras(…), um velho coração que convence seu usuário a publicar segredos e a ter a petulância de se aventurar como poeta.”

Lispector