“Eu jogo minha última ficha na máquina de música, no último blues. Ninguém vê, ninguém ouve mais nada na manhã que chega para adormecer loucuras.
Amanhã, você lembrará?”
Caio F. Abreu