“Sou filha da lua.
Quero sempre o vôo mais alto,
a vista mais bonita,o beijo mais doce.
Às vezes fico distante,e me perco em mim
como se não houvesse começo nem fim
nessa coisa de pensar e achar explicação pra vida.
Explicação mesmo,eu sei: não há…
e me agarro no meu sentir
porque, no fundo, só meu coração sabe.
E esse mesmo coração que me guia
e não quer grades nem cobranças,
às vezes me deixa sem rumo,
com uma interrogação bem no meio da frase:
O que eu quero mesmo?
Por isso, eu te peço
(de um jeito meio sem-vergonha, que é assim que eu costumo ser):
se eu gostar de você,
tenha a gentileza de não me deixar tão solta.
Não me pergunte aonde vou, mas me peça pra voltar.
Sou fácil de ler, mas não tente descobrir
porque o mesmo refrão insiste em tocar tanto.
Se eu gostar de você,
tenha a delicadeza de também gostar de mim.
E me deixe ser, assim, exatamente como eu sou…
meio gato, meio gente.
Desconfiada e independente e
adoradora de todos os luxos e lixos do mundo.”